por Tody Macedo

E se as palavras enricassem a consciência

Deixando o lado pobre do ser

Para ser nobre no eterno viver

Quem sabe a palavra trouxesse a chuva

Molhasse a alma que ainda se encontra nua

De um dia nublado esvai-se pela rua

Palavra de vida, força, anti-torpor

Cria, fia, quem sabe inventaria

De forma esperta a recompor

A palavra que brota no papel

Que cresce n’alma

Emanando em si o fragor