por Tody Macedo

“respiro o âmago amargo de um verso largo, amando o mar mais perto do fragor que do frescor… quem sabe um dia na minha valentia acabo com a agonia, corto o peito, sangra a porcaria da dor sem dó dominando a covardia grudando em mim a poesia…”