Por Tody Macedo

Papel, oh! Papel!

Quão tolo és tu!

Basta derramar em ti

E a tinta reverencias.

Tem ar de dominador

Quando o Amor me transmite

Com tudo quanto for palpite

No final só me resta à dor.

Deu-me tristeza, oh! Papel,

Contou-me tudo o que eu não quis.

Agora me encontro ao léu

E no avesso faço fim com um giz.