Por Erlane

 
Uma canção entoa os batimentos de um coração mergulhado na solidão
As folhas daquela árvore solitária caem devagar no frio e sólido chão
Onde estão todos?
Uma súplica é entoada por uma voz melancólica que surge do nada
De nada adianta…
O chão continua sólido, a árvore quase despida, despede das suas últimas folhas
O silêncio é a canção que embala o coração de uma mulher
Há alguém contemplando a queda das folhas
Há alguém que espera por outra estação e, enquanto espera, sente a sua solidão.
Fria é a estação das folhas mortas espalhadas ao redor de uma esplendorosa árvore
Triste o abandono sentido pela mulher que procura por todos
Onde estão todos os sonhos, todos os encantos, todas as promessas…
Onde estará a vida que surgirá das cinzas?
Alguém segue numa outra direção em busca da estação
A estação é o caminho que conduz a uma estrada colorida
Ainda está cinza, as cores desbotaram por não querer mudar
Muda está a vida que se esconde no nada
Mudos são os dias de alguém que pára embaixo de uma árvore que despede da vida!!!
(Erlane – 02/06/2011)