por Tody Macedo

Já vi tantas coisas escorrerem pelos dedos afora…

As sementes mal plantadas, um pingo de sentimento,

As lágrimas mal contidas pelo amigo, as areias do tempo,

As águas que passam ou uma curva onde não tem vento.

Passou, correu, caiu se foi…

Flutua em neve branca os meus pensamentos.

A brisa que ainda sinto repousa nos olhos,

Qualquer luz agora me cega,

Escorre em meu rosto como depois de uma onda em rebento.

Porque mesmo ao dia vejo estrelas entrecortando minha visão.

Assim, meio turvo – de esperança isento.

Pés descalços, calejados, sujos e cansados

Sigo com olhos úmidos,

Sem negar minha culpa,

Querendo voar num origami calado

E nadando num copo de lágrimas de mágoas.