Por Tody Macedo

Tirar um tempinho longe,

Longe de mim, longe de tudo

Longe de nós, um longe mudo

Quero um longe do abstrato

Sentir o real, o calor, seu tato

Molhar minha palavra na sua feito poeta errante

Estar longe do sol, da lua e do horizonte

Que me queime, define, vem, me desmonte

Mas me conte quão longe vai ficar

Uma légua daqui, caminho distante

Na textura nua de sua pele em meio peito a pulsar

Passos rasos, descalços, meio vacilante

Sem pó, sem poeira

Sem eira nem beira

Beija o sol, beira mar

Veja o clarão dos olhos na lua

Sabor dos lábios em brilho tímido, e deixa

Ver minha boca na sua toda nua.