Por Tody Macedo

Tenho palavras mudas. Palavras que traduzem a vida em preto e branco, que interpretam meus passos no chão – vagos e lentos.

Tenho palavras nítidas com uma morbidez escondida em cada verso feito em canção. Palavras espertas que escondem do sol.

Palavras medrosas que sonham um sonho só; que voam ao vento a encontrar o céu infinito recôndito e inseguro.

Palavras simples, frágeis… supérfluas aos olhos, intensas ao coração, marcantes à mente, inebria à alma.

Só palavras… rabiscos em vão, rascunho fugaz. Linha da minha vida em carta e papel. Linhas em preto e branco que não mais satisfaz.

Agora espero a minha vez para mais uma palavra; em azul e amarelo, num banco intediante.

Faça acabar: fim de mais uma palavra!!!